Quantos já nos visitaram

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Desafios da gestão colaborativa

Desafios da gestão colaborativa

Termos como planejamento colaborativo, co-criação e processo há algum tempo vêm sendo adotados em áreas como Terceiro Setor, comunicação, inovação e recentemente têm se consolidado também no universo corporativo.
A tendência de buscar soluções mais participativas e colaboradas na gestão aponta a deficiência de modelos mais centralizados e hierárquicos na resolução de problemas e também o desejo de criar bases de atuação mais estruturantes junto aos diversos públicos.
Há alguns anos adotando essas mesmas práticas em metodologias para projetos nas áreas culturais, criativas e sociais, passei a me debruçar sobre o desenvolvimento de métodos colaborativos voltados para a gestão nessas mesmas áreas. Não me parecia mais suficiente trabalharmos com métodos essencialmente colaborativos na criação se a forma de gerir os projetos também não reverberasse na mesma sintonia.
O ‘como fazemos’ ganhou uma dimensão de pesquisa no meu dia a dia profissional. Pesquisar a gestão surgiu também como resposta a uma inquietação pessoal em perseguir uma ampliação de efetividade nos projetos realizados. Não se trata apenas de fazer bem e com qualidade, mas fazer visando à ampliação de efeitos positivos para os diversos públicos envolvidos nas ações – sejam públicos internos ou externos.
Percorrendo o caminho de uma gestão mais efetiva e sustentável, pontuo quatro aspectos que considero centrais para a atuação colaborada:
Abordagem sistêmica e circularPensar projetos como um sistema vivo permite ao gestor alcançar a complexidade inerente às ações e criar condições para ampliar os efeitos positivos que delas derivam. Projetos são ambientes extremamente ricos e dinâmicos de aprendizagem contínua. Para aprendermos ao empreender é importante abrirmos espaço para pesquisar sobre as nossas práticas, como ciclos constantes de aprendizagem.
Diálogo
Um projeto é o futuro a fazer, um possível a transformar em real. Para que essa transformação se dê de forma plena para os diversos envolvidos é necessário haver diálogo. Fundamental entender a dialogia como uma prática que permite o estabelecimento de relações humanas mais harmônicas e fluidas e também como meio para aprofundar e consolidar objetivos convergentes. A dialogia é condição essencial para alcançar o êxito de projetos sustentáveis.
Articulação em rede
A articulação em redes é uma das formas mais potentes de viabilizar projetos e empreendimentos sob o prisma da economia sustentável. Em configurações descentralizadas como essas preservamos e potencializamos o valor de cada participante, mas permitimos, por outro lado, viabilizar o crescimento numa medida equilibrada do(s) outro(s). Isso porque passamos a atuar de forma interdependente. O crescimento de um potencializa o crescimento do outro.
Funcionalidade dos arranjos e equipes
Trabalhar junto e em grupo não significa prescindir da função individual em nome do coletivo, mas, pelo contrário, ter muita clareza quanto à função, vontade, talento e potencial de cada parte, cada indivíduo para constituir um movimento mais funcional e complementar na articulação do grupo, do todo.
Esses são alguns dos aspectos que irei abordar no curso Gestão Sociocriativa, que ministrarei no Cemec, entre 4 e 7 de agosto. Clique aqui para ver o programa.
FONTE E LINK: http://www.culturaemercado.com.br/pontos-de-vista/desafios-da-gestao-colaborativa/